Ana Guadalupe: três poemas / three poems

a pernilonga

um passo e tenho pelos pretos
que crescem enormes no rosto
em seguida adquiro péssimo hálito
unhas amarelas e couro cabeludo
que esfarelam com o movimento
ao mesmo tempo das remelas
das gotas de suor escuro
do barulho alto do estômago
no final do trajeto
haverá um rastro fétido
na entrada de seu edifício
no elevador o espelho
confirmará que encontros românticos
podem transformar alguém num monstro
em mensagem descontraída peço
que separe papel higiênico e cobertor velho
pra embrulhar este meu novo corpo

 

girl turned mosquito 

one step and i have black hair
growing longer and longer from my face
then up next comes the awful breath
yellow fingernails and my scalp
falls apart with every movement
as does the crust under my eyes
and the drips of dark sweat
and my stomach’s grumbling noise
at the end of the path
there will be a putrid trail
at the entrance to your building
in the elevator the mirror
will confirm that romantic dates
can turn someone into a monster
in a casual message i ask you
to tear some toilet paper and an old blanket
to wrap up this new body of mine

 

quando cortam a internet 

quando cortam a internet
coisas absurdas acontecem
mas não sem a tentativa de refresh
e do refresco de cogitar antes
um lapso passageiro
raios
insetos no aparelho

quando a página some
levando embora um link que se perderá
pra sempre, é aí que uma coceira aparece
então descobre-se que o eu lírico
carregava meses de urticária
ou brotoejas
ou micose da pior espécie

quando ninguém mais digita palavra
nenhuma, nosso herói ou heroína
se levanta com tontura pra ir à esquina
descobre árvores inesperadas
na sacada, quatro ou cinco
parentes desacordados
na escada de casa

 

when the internet goes out

when the internet goes out
nonsensical things can happen
but not without clicking refresh
or before the refreshment of entertaining
a momentary lapse
lightning
insects inside the equipment

when the page goes blank
whisking away a link to be lost
forever, that’s when an itch appears
then we find that the lyrical I
carried months of hives
or prickly heat
or the worst kind of mycosis

when no one types out any word
our hero or heroin
gets up feeling dizzy to cross the street
and finds unexpected trees
in the balcony, four or five
unconscious relatives
standing in the house’s stairwell

 

no quarto escuro

no quarto escuro não importa
se lá fora faz calor ou chuvinha
se são os zumbis ou as crianças da vizinha
às vezes dá na mesma
viver antes ou agora

nada existe no quarto escuro
se abrisse as janelas veria o cerrado
ou a caatinga ou o livro de geografia
aberto na página setenta
sobre a mesa onde está o quarto

ou então nada disso
veria londres ou nova iorque
grampeadas a um folheto de intercâmbio
aos pratos e bebês chorando
com molho vermelho pingando dos cantos

felizmente o quarto continua seguro
cobertores e travesseiros garantem em coro
que dá até pra mudar de nome no quarto escuro
na semana passada meu sobrenome era outro
e as horas de sono chegavam a 28

no quarto escuro não importa
se as janelas não são abertas há um ano
se é chuva de vento ou a tempestade do século
se lá fora você anda sem sombrinha
e vai acabar morrendo de pneumonia
por negligência minha

 

in this dark room

in this dark room it doesn’t matter
if it’s hot or raining outside
if those are zombies or the neighbor’s children
sometimes it’s all just the same
living now or in the past

nothing exists in this dark room
if you opened the windows you’d see the savannah
or the caatinga shrubs or a geography book
open to page seventy
on the table where this room is

or none of this
you would see london or new york
clipped to a study abroad pamphlet
dishes and crying babies
with red sauce dripping off the corners

thankfully this bedroom is still safe
blankets and pillows ensure, in a choir,
that in this dark room you can even change your name
last week my last name was different
and my hours of sleep reached 28

in this dark room it doesn’t matter
if the windows are closed for over a year
if there’s a little rain or the storm of the century
if you walk outside without an umbrella
and eventually die of pneumonia
thanks to my negligence

 

Translated by Ana Guadalupe & Jacob Steinberg

One comment

  1. Pingback: girl turned mosquito | r. carmichael nunca voltou